A cada dia o microagulhamento vem ganhando reputação de ser um dos melhores tratamentos da Biomedicina Estética. Mas todo cuidado deve ser tomado na aquisição de um Roller verdadeiro.

Cuidado com Rollers falsificados!

A notícia é a de que estão sendo vendidos no Sul equipamentos/produtos de micro-agulhamento, (conhecidos como Dermaroller) sem o devido registro da ANVISA.

Biomédicos estão se deixando levar pela tentadora promessa de adquirir um roller bem mais barato daqueles que têm ANVISA. Estes rollers falsificados e contrabandeados entram no país sem pagar os devidos impostos e taxas de importação.

Outra má notícia é que às vezes é muito difícil ou mesmo impossível diferenciar o roller registrado do falsificado/ilegal. Por exemplo, não é assim tão fácil saber se o roller passou pela gama-esterelização, mesmo se as agulhas estiverem precisamente alinhadas ou se a embalagem estiver cheia de selos de qualidade.

Quais os cuidados essenciais ANTES de comprar um Roller?

Sabendo disso, a equipe do site Biomedicina Estética recomenda ao biomédico esteta como evitar a compra de rollers ilegais:

ANTES DE COMPRAR

  • De um modo geral, nunca pedir um roller se for muito barato. Especialmente ter cuidado com esses roller de 1 dólar no site do Alibaba ou de 100 reais do Mercado Livre.
  • Sempre comprar de uma empresa respeitável, e não de alguma loja online.
  • Saiba exatamente o modelo de roller específico que você está pensando adquirir.
  • Tenha cuidado extra com roller sem marca. Se um vendedor ou site afirma que eles são de fabricação própria – este produto é altamente suspeito.
  • Existem somente 3 marcas com registro na ANVISA, (MTS Roller, MiRoll e Dr. Roller).
  • Os produtos com registro na ANVISA não tem necessidade de colocar o logo no mesmo, mais tem que ter na embalagem do produto o número da ANVISA. Se for equipamentos, atrás tem que haver o número da ANVISA e os dados do fabricante e ou o distribuidor, (em caso de importado).

Então ficam aí as dicas sobre como evitar a compra de um roller de procedência duvidosa.

roller-falsificado-2 roller-falsificado-1

Veja acima alguns rollers vendidos pela internet e que não possuem autorização para entrar no Brasil.

Quais os cuidados essenciais DEPOIS de comprar um Roller?

DEPOIS DE COMPRAR

Mas que se você já comprou um roller e quer saber se ele é de qualidade e seguro?

É difícil dizer a diferença entre um original e um falso. Mas alguns sinais podem rapidamente indicar uma baixa qualidade / falsificação do roller:

  • Examine as agulhas. Elas estão completamente alinhadas umas com as outras? Elas são todas do mesmo tamanho / comprimento? Se você encontrar uma agulha torta, descarte o seu roller imediatamente.
  • Examine a caixa. Se a tampa não tem logotipo, ou se o logotipo não corresponde ao roller dentro, veja que este produto é muito suspeito. Quem é o fabricante? Pergunte a quem vendeu para você e vá para o link abaixo.
  • Consulte o fabricante. Por exemplo, verifique se a embalagem do seu roller possui autorização da ANVISA.

roller-verdadeiro-1 roller-verdadeiro-2 roller-verdadeiro-3dermaq

Veja acima as fotos das marcas de rollers com venda autorizada no Brasil pela ANVISA.

  • Derma-Q
  • Dr. Roller
  • MI Roll
  • MTS Dermaroller

Já tentaram vender a você um roller falso?

Compartilhe sua experiência e alerte outras pessoas!

Você conhece uma empresa/marca em acordo com as Leis e que fornecem rollers de qualidade? Eles vendem por um preço justo?

Diante disso, é muito importante nos atentarmos na Lei que regulamenta tais produtos.

Cada pais tem seu órgão regulamentador de produtos para uso em saúde segue abaixo lista de alguns:

ANVISA – Brasil

FDA – EUA

CE – Comunidade Européia

KFDA – Korea do Sul

Thai FDA – Tailândia

CSA – Canadá

Algumas pessoas confundem, ou mesmo agem de má fé comercializando um produto que tem licença para comercialização na Europa (CE) ou KFDA – Coreia do Sul.

Partindo deste engano, tais pessoas trazem para o Brasil muitas vezes como contrabando e revendem tais equipamentos como um produto aceito no Brasil.

Qualquer registro de outro país não tem nenhuma validade em território brasileiro! Assim como o nosso registro da ANVISA não tem validade em outros países.

São poucos que possuem o FDA, pois é o mais difícil de obter. Mesmo assim, não tem reconhecimento e validade no Brasil.

A maioria dos rollers são importados da China e Europa. Quando comercializados no Brasil é considerado crime a empresa de revenda adotar os termos de qualquer órgão regulatório de outros países em nosso território.

A legislação criminal é rígida para os falsificadores e utilizadores

Veja abaixo as penalidades que estão sujeitas às tais pessoas.

Qualquer produto que venha para o Brasil sem ANVISA é caracterizado como contrabando, conforme Lei abaixo:

Lei nº 9.677, de 2 de julho de 1998

D.O.U. 03/07/98

Altera os dispositivos do Capítulo III do Título VIII do Código Penal, incluindo na classificação dos delitos considerados hediondos crimes contra a saúde pública, e dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Art. 1º Os dispositivos a seguir indicados no Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 – Código Penal, passam a vigorar com a seguinte redação:

“Falsificação, corrupção, adulteração de substâncias ou produtos alimentícios”(NR)

“Art. 272. Corromper, adulterar, falsificar ou alterar substâncias ou produto alimentício destinado a consumo, tornando-o nocivo à saúde ou reduzindo-lhe o valor nutritivo:” (NR)

“Pena – reclusão, de 4 (quatro) a 8 (oito) anos, e multa.” (NR)

“§ 1º A. Incorre nas penas deste artigo quem fabrica, vende, expõe à venda, importa, tem em depósito para vender ou, de qualquer forma, distribui ou entrega a consumo a substâncias alimentícia ou o produto falsificado, corrompido ou adulterado.”

“§ 1º Esta sujeito às mesmas penas quem pratica as ações previstas neste artigo em relação a bebidas, com ou sem teor alcoólico.” (NR)

“Modalidade culposa

§ 2º Se o crime é culposo:

Pena – detenção, de 1 (um) a 2 (dois) anos, e multa.” (NR)

“Falsificação, corrupção, adulteração ou alteração de produto destinado a fins terapêuticos ou medicinais” (NR)

“Art. 273. Falsificar, corromper, adulterar ou aterar produto destinado a fins terapêuticos ou medicinais:” (NR)

“Pena – reclusão, de 10 (dez) a 15 (quinze) anos, e multa.” (NR)

” § 1º Nas mesmas penas incorre quem importa, vende, expõe à venda, tem em depósito para vender ou, de qualquer forma, distribui ou entrega a consumo o produto fasificado, corrompido, adulterado ou alterado.” (NR)

“§ 1º A. Incluem-se entre os produtos a que se refere este artigo os medicamentos, as matérias-primas, os insumos farmacêuticos, os cosméticos, os saneantes e os de uso em diagnóstico.”

“§ 1º B. Está sujeito às penas deste artigo quem pratica as ações previstas no § 1º em relação a produtos em qualquer das seguintes condições:

I – sem registro, quando exigível, no órgão de vigilância sanitária competente;

II – em desacordo com a fórmula constante do registro previsto no inciso anterior;

III – sem as características de identidade e qualidade admitidas para a sua comercialização;

IV – com redução de seu valor terapêutico ou de sua atividade;

V – de procedência ignorada;

VI – adquiridos de estabelecimentos sem licença da autoridade sanitária competente.”

“Modalidade culposa

§ 2º Se o crime é culposo:

Pena – detenção, de 1 (um) a 3 (três) anos, e multa.” (NR)

“Emprego de processo proibido ou de substância não permitida

Art. 274. ………………………………………………………………………………

Pena – reclusão, de 1 (um) a 5 (cinco) anos, e multa.” (NR)

“Invólucro ou recipiente com falsa indicação

Art. 275. Invulcar, em invólucro ou recipiente de produto alimentícios, terapêuticos ou medicinais, a existência de substâncias que não se encontra em seu conteúdo ou que nele existe em quantidade menor que a mencionada:” (NR)

“Pena – reclusão, de 1 (um) a 5 (cinco) anos, e muta.”(NR)

“Produtos ou substâncias nas condições dos dois artigos anteriores

Art. 276. ………………………………………………………………………….

Pena – reclusão, de 1 (um) a 5 (cinco) anos, e multa.” (NR)

“Substâncias destinada à falsificação

Art. 277. Vender, expor à venda, ter um depósito ou ceder substâncias destinada à falsificação de produtos alimentícios, terapêuticos ou medicinais:” (NR)

“Pena – reclusão, de 1 (um) a 5 (cinco) anos, e multa.”(NR)

Art. 2º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

Brasília, 2 de julho de 1998; 177º da Independência e 110º da República.

FERNANDO HENRIQUE CARDOSO

Renan Calheiros

José Serra

Ou seja, quem vende ou compra está sujeito a lei acima!

Ser um biomédico esteta criterioso ainda é a melhor atitude

Num momento de tantas mudanças e conflitos que marcam por uma disputa acirrada pelo pleno direito de atuarmos no setor da saúde estética, é importante que todos nós biomédicos andemos em acordo com as leis vigentes.

Caso semelhante que foi amplamente divulgado nas mídias nacionais foi o da venda, compra e  aplicação de toxina botulínica contrabandeada que ocorreu no Nordeste do Brasil. Neste caso, todos os envolvidos, inclusive um biomédico, estão sendo procurados pela Polícia Federal e alguns já estão presos e outros refugiados.

Por isso é recomendável que o biomédico esteta saiba de quem está comprando e que peça sempre a apresentação dos registros da ANVISA de cada produto e equipamento.

É importante também que o biomédico esteta consciente ajude a combater tais atos de irregularidades cometidos por colegas efetuando denúncias aos CRBMs e demais autoridades públicas locais.

Loading Facebook Comments ...

15 COMENTÁRIOS

    • Olá Luisa, tudo bem? Nós não sabemos informar se este site é confiável, sugerimos que busque informações de quem já comprou no site, mas lembre-se de consultar se o produto que você deseja comprar tem registro na ANVISA. Se você preferir no rodapé do nosso blog temos diversos parceiros da área da estética que fornecem dermarollers, neles confiamos de olhos fechados.

    • Olá Laura, tudo bem? Não temos essa informação, entre em contato com o CRBM da sua região, eles poderão esclarecer a sua dúvida.

  1. eu não recomendo comprar fora do pais pela internet, apesar de serem bem mais baratos e bons, podem ficar retidos na receita, e se der alguma complicação no paciente, você vai ter que apresentar o roller, que não vai ter registro na ANVISA e isso é contrabando, crime inafiançável, ou seja, não vale a pena o risco!

  2. Olá. Vi que essa publicação é de 2013 e fala de 4 marcas que na época tinham registro. Tem alguma outra marca de roller que, de lá pra cá, adquiriu registro Anvisa?

  3. Gostei do seu post , parabéns! Você poderia me indicar um local seguro para comprar o derma roller, e uma marca mais barata , pois eu não encontrei um site legal , e ainda por cima são muito caro, eu encontrei no mercado livre algumas dessas marcas que você citou , o que você acha de comprar o derma no mercado livre sendo da marca Dr roller por exemplo? É viável e seguro ?

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Rodrigo Nunes tem mais de 10 anos de experiência nos mercados da Estética e Antiaging. Empresário e distribuidor independente executivo da Jeunesse. Organizador dos Portais "Biomedicinaestetica.com.br", "Enfermagemestetica.com.br", "Farmaciaestetica.com.br" e "Nutricaoestetica.com.br". Administrador de Empresas pela FEA-PUC/SP, Mestre em Gestão de Negócios pela PUC-Santos.