Pesquisa relaciona vitamina C como aliada ao tratamento de câncer

O biomédico esteta já utiliza a vitamina C para diversos tratamentos estéticos com grandes resultados, no entanto, uma pesquisa americana trouxe ainda mais novidades sobre essa vitamina para conhecimento dos profissionais da saúde. Pesquisadores da Universidade de Iowa demonstraram que dar vitamina C (conhecida como ascorbato) por via intravenosa, ignorando o metabolismo normal do intestino […]
O biomédico esteta já utiliza a vitamina C para diversos tratamentos estéticos com grandes resultados, no entanto, uma pesquisa americana trouxe ainda mais novidades sobre essa vitamina para conhecimento dos profissionais da saúde. Pesquisadores da Universidade de Iowa demonstraram que dar vitamina C (conhecida como ascorbato) por via intravenosa, ignorando o metabolismo normal do intestino e das vias de excreção, cria níveis sanguíneos que são de 100 a 500 vezes maiores do que os níveis observados com a ingestão normal. Essa alta concentração no sangue que é crucial para a capacidade da vitamina C em acabar com as células cancerosas. As pesquisas anteriores do especialista em biologia da universidade de Iowa Garry Buetterner apontaram que em níveis extremamente altos, a vitamina C mata seletivamente células cancerígenas, mas não as células normais, tanto no tubo de ensaio como em camundongos.

Estudo com a vitamina C contra o câncer começa a ser testado em ensaios clínicos em hospitais

Médicos nos hospitais e clínicas da universidade de Iowa testam agora a abordagem em ensaios clínicos para o câncer de pâncreas e câncer de pulmão que combinam a alta dose intravenosa de vitamina C com a quimioterapia padrão ou a radiação. Ensaios já provaram que esse tratamento é seguro e bem tolerado e ensaios maiores pretendem determinar se o tratamento melhora a sobrevida. A revista Redoz Biology publicou recentemente outro estudo do Dr. Buettner a respeito dos detalhes biológicos de como as altas doses de vitamina C matam as células cancerosas. A vitamina C é capaz de quebrar-se facilmente, gerando peróxido de hidrogênio, chamado de espécie reativa de oxigênio que pode danificar tecidos e o DNA. O estudo apontou que as células tumorais têm menos capacidade de remover o peróxido de hidrogênio prejudicial, do que as células normais. As células normais têm várias maneiras de remover peróxido de hidrogênio, mantendo-o em níveis muito baixos para que ele não cause danos. No novo estudo, uma enzima chamada catalase é utilizada como rota central para a remoção de peróxido de hidrogênio, gerado na decomposição da vitamina C. A pesquisa pode ajudar a determinar quais os cânceres e quais as terapias poderiam ser melhoradas através da inclusão de altas doses de vitamina C no regime de tratamento. FONTE: Doskey CM, Buranasudja V, Wagner BA, et al. Tumor cells have decreased ability to metabolize H2O2: Implications for pharmacological ascorbate in cancer therapy. Redox Biology. 2016;10:274-284. doi:10.1016/j.redox.2016.10.010.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

© Copyright 2010-2021. Portal da Biomedicina Estética.
logo biomedicina estética