Ozonioterapia: Resolução do CFM não atinge ozonioterapeutas

Foi publicado no diário oficial desta terça feira (10) a Resolução CFM n° 2.181/2018 que define ozonioterapia como um procedimento que pode ser realizado apenas em caráter experimental. A publicação foi realizada 48 horas após a reportagem sensacionalista e mentirosa, que foi ao ar no domingo (8) pelo “Fantástico” da Globo. Veja mais: Globo distorce os […]
resolução-cfm-ozonioterapia
Foi publicado no diário oficial desta terça feira (10) a Resolução CFM n° 2.181/2018 que define ozonioterapia como um procedimento que pode ser realizado apenas em caráter experimental. A publicação foi realizada 48 horas após a reportagem sensacionalista e mentirosa, que foi ao ar no domingo (8) pelo “Fantástico” da Globo. Veja mais: Globo distorce os benefícios da ozonioterapia O médico, segundo a resolução, está impedido de usar a ozonioterapia, exceto se o médico se apresentar como OZONIOTERAPEUTA assim como outros diversos profissionais da saúde que se especializam em ozonioterapia e passam a ser ozonioterapeutas. Aliás, ele pode ser hora médico, hora ozonioterapeuta, mas se dizer médico especialista em ozonioterapia ou médico ozonioterapeuta o CRM pode autuar contra o mesmo.

Reportagem da Globo diz não ter comprovação científica sobre a ozonioterapia

Sabem o que é mais hilário? Uma emissora como a Globo emitir inverdades sobre a ozonioterapia, sabendo que essa técnica pode ajudar a salvar vidas. Agora, pasmem, o próprio CFM reconhece ter recebido mais de 26 mil publicações internacionais científicas sobre a ozonioterapia. E mesmo assim, alegam em rede nacional não ter comprovações? Como assim? Confuso, não? Com que competência e tradição a ciência médica brasileira “reconhecida pela comunidade médica oficial” (leia-se: grupo de interesse político encastelado em instituição cientificistas) tem para contestar a ciência médica internacional? Tiveram a “cara de pau” de ignorar tantos estudos internacionais como se fossem alguma autoridade em qualquer assunto, não é mesmo? Mas isso não acontece nem na própria medicina, portanto quem deu esse direito? Temos a internet disponível para buscas e pesquisas, portanto assim como vocês leitores, nós estamos por dentro de tudo o que acontece. Aliás, vocês sabiam que a medicina brasileira mata mais que acidente de trânsito? Maior causa de morte no país! Recentemente a Revista Superinteressante trouxe à tona em sua edição com os erros médicos. Veja a matéria: Erro Médico: mais comum do que você pensa São mais lisos que sabão na água e foram para as mídias televisivas afirmarem que não existem trabalhos e pesquisas científicas comprovando a eficácia da ozonioterapia.

O mundo está prescrevendo a ozonioterapia. Mas, e o Brasil?

Quantas pessoas precisarão ter suas pernas amputadas? Quantas precisarão fazer cirurgias de coluna e de joelho desnecessárias? Quantas pessoas precisarão morrer por infecção hospitalar por não terem acesso à Ozonioterapia? A Associação Brasileira de Ozonioterapia (ABOZ) luta desde 2006 para que a Ozonioterapia seja reconhecida como procedimento médico legítimo no Brasil, a exemplo do que já acontece em boa parte da Europa, Ásia, América Latina e até em 32 estados norte-americanos. A Ozonioterapia é uma técnica que utiliza a aplicação de uma mistura de gases oxigênio e ozônio com finalidades terapêuticas.   O ozônio medicinal, em contato com o organismo, apresenta ações de melhoria da oxigenação e da circulação sanguínea, redução de dor e inflamação, além de propriedades germicidas. Desta maneira, podem ser tratadas com a Ozonioterapia doenças as mais variadas, sejam de origem isquêmica, inflamatória e/ou infecciosa. Mas, se depender da indústria farmacêutica, certamente teremos uma demora ainda maior na aprovação e legalização da ozonioterapia no Brasil. Afinal, os médicos preferem prescrever uma lista de medicamentos do que realizar uma técnica já utilizada no exterior e de grande avalia e resultados maravilhosos.

[widgetkit id=”79″ name=”BANNER CURSO DE OZONIOTERAPIA”]

Comentário (2)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

© Copyright 2010-2021. Portal da Biomedicina Estética.
logo biomedicina estética